Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Institucional > Notícias > Boletim Coronavirus > Secretário de educação destaca importância da avaliação durante aulas não presenciais
Início do conteúdo da página
Coronavirus

Secretário de educação destaca importância da avaliação durante aulas não presenciais

Marcelo Costa, também presidente da Undime Goiás, participou de webconferência com Federação Goiana dos Municípios

  • Criado: Quarta, 23 de Setembro de 2020, 20h22
  • Publicado: Quarta, 23 de Setembro de 2020, 20h22
  • Última atualização em Sexta, 25 de Setembro de 2020, 20h23

O presidente da Undime Goiás e secretário municipal de Educação e Esporte de Goiânia, Professor Marcelo Costa, participou, nesta quarta-feira, 23, de webconferência sobre avaliação no regime de aulas não presenciais. O encontro foi promovido pela Federação Goiana dos Municípios (FGM) e contou com a participação do Presidente da FGM e Prefeito de Porteirão, Cunha, representantes da Secretaria do Estado de Educação, na figura da Secretária, Fátima Gaviolli, a Superintendente de Organização e Atendimento Educacional, Patrícia Amorim, e o Presidente do CEE, Flávio de Castro. 

Destacando a avaliação do aluno como um exercício de cidadania, Marcelo considerou o papel desempenhado pela escola na inserção do educando na sociedade. Por isso, pontuou que a avaliação não deve apenas ser instrumento para análise de notas, mas um meio de acompanhar a aprendizagem do aluno. "Portanto, o processo precisa ser contínuo e criativo", frisou.

Como consequência da visão tradicionalista das avaliações, Costa comentou sobre o caráter, de certa forma, aterrorizante que elas assumem no cotidiano escolar. "E o medo da avaliação? Inúmeros são os casos de alunos que, quando perguntados, dizem que a pior hora na escola é a da prova", comentou, explicando que isso acontece pelo tratamento de "acerto de contas" em final de trajetória. 

"Existe uma inversão na elaboração do instrumento avaliativo, listando perguntas para simplesmente verificar o que o aluno pode ou não acertar, como se fosse um jogo", expôs Marcelo. A mudança dessa perspectiva automática vem, segundo o dirigente municipal, da compreensão de que há uma zona de interseção entre aluno, professor e conteúdo, na qual está a interação para o aprendizado. 

 

Texto: Luciana Gomides, editoria de Educação e Esporte

Foto: FGM

Fim do conteúdo da página