Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Institucional > Notícias > Educação investiu R$ 2,5 milhões em manutenção predial no primeiro semestre
Início do conteúdo da página
Últimas notícias

Educação investiu R$ 2,5 milhões em manutenção predial no primeiro semestre

Reparos foram feitos por meio do Programa Escola Viva e beneficiaram 141 instituições de ensino no primeiro semestre deste ano

  • Criado: Quarta, 03 de Julho de 2019, 12h17
  • Publicado: Quarta, 03 de Julho de 2019, 12h17
  • Última atualização em Quarta, 03 de Julho de 2019, 12h17

E.M. PUm dos precedentes para a melhoria da qualidade do ensino na rede municipal de Goiânia é o bom estado de conservação física das escolas e centros municipais de Educação Infantil (Cmei). Diante disso, pelo terceiro ano consecutivo, a Prefeitura de Goiânia, por meio da Secretaria Municipal de Educação e Esporte (SME), desenvolve o Programa Escola Viva, no qual as instituições recebem repasse de verbas para a manutenção predial das unidades.

No primeiro semestre de 2019, o projeto já viabilizou cerca de R$ 2,5 milhões para reparos de pintura, revisão elétrica e hidráulica, troca de telhado e demais adequações em 72 escolas e 69 centros municipais de Educação Infantil (Cmei) da Capital, totalizando 141 unidades educacionais. Até o final do ano, todas as 304 instituições de ensino (exceto convênios parciais) receberão verbas oriundas do Escola Viva, num montante estimado em 5,6 milhões de reais de investimento.

Exemplo dos benefícios que o Escola Viva leva a cada unidade de ensino é o Cmei Nossa Senhora Aparecida, localizado no Setor São Domingos, região Noroeste. A instituição passou por reformas no pátio, nos parquinhos para crianças da primeira infância e pré-escola, construção de rampas de acessibilidade, instalação de alambrados no estacionamento, colocação de cerâmica nas áreas externas, construção de calçada, pintura geral, reforma dos banheiros e a construção de uma central de gás. O Cmei atende 120 alunos, entre um e quatro anos de idade. Para a diretora da unidade, Walquíria Gomes, “houve uma mudança significativa nos espaços do Cmei, podemos dizer que é outro”.

Outra instituição que foi amplamente reformada pelo programa foi a Escola Municipal Jalles Machado de Siqueira, localizada no Jardim Bela Vista, região sul de Goiânia. Rony William de Souza, diretor da unidade e responsável por gerir o recurso repassado pela SME, conta que refez toda a pintura externa do local, consertou duas tendas utilizadas dentro do pátio, pintou a sala de leitura, trocou o telhado e reformou as portas e janelas do banheiro masculino. A escola atende cerca de 500 alunos e possui desde a Educação Infantil (pré-escola) até o Ciclo III do Ensino Fundamental, além da modalidade de Educação de Adolescentes, Jovens e Adultos (Eaja), funcionando nos períodos matutino, vespertino e noturno.

Programa Escola Acessível

O Programa Escola Acessível é uma iniciativa de cunho federal que tem por objetivo promover condições de acessibilidade ao ambiente físico, recursos didáticos e pedagógicos e à comunicação e informação nas escolas públicas de ensino regular. Em Goiânia, além dos recursos do Governo Federal, a SME disponibiliza dentro do Escola Viva as verbas para as adequações físicas das unidades de ensino.

Desde 2017, 48 instituições de ensino municipais foram contempladas pelos dois projetos. Uma delas é a Escola Municipal de Tempo Integral Professora Maria Nosídia Palmeiras das Neves, no Residencial Barravento, região Noroeste. A unidade passou por reformas de acessibilidade que contaram com colocação de piso tátil, corrimões e fitas antiderrapantes, troca de vasos sanitários e bebedouros acessíveis. A escola atende cerca de 294 alunos, em dez agrupamentos dos Ciclos I e II do Ensino Fundamental.

Escola Viva 2017 e 2018

O Programa Escola Viva foi uma das primeiras ações implementadas pela nova gestão municipal na área da Educação. Já em 2017, todas as 304 instituições, com conselho de gestão escolar, receberam repasse do projeto, totalizando quase quatro milhões de reais investidos. Em 2018, o procedimento se repetiu e todas as 304 unidades receberam verbas, com investimento de mais quase quatro milhões de reais.

Núbia Alves, da Editoria de Educação e Esporte

registrado em:
Fim do conteúdo da página