Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Institucional > Notícias > Como otimizar o tempo das crianças durante a Pandemia e o distanciamento social
Início do conteúdo da página
Últimas notícias

Como otimizar o tempo das crianças durante a Pandemia e o distanciamento social

O distanciamento social se prolonga mais que o esperado e é preciso novas ações para qualificar esse período

  • Criado: Segunda, 31 de Agosto de 2020, 13h38
  • Publicado: Segunda, 31 de Agosto de 2020, 13h38
  • Última atualização em Segunda, 31 de Agosto de 2020, 13h53

IMG 9238 1A pandemia da Covid-19 provocou, entre outras consequências, a suspensão das aulas presenciais e, com isso, maior tempo das crianças e adolescentes em casa. Nesse contexto, a coordenadora das ações de enfrentamento e prevenção da violência da Secretaria Municipal de Educação e Esporte (SME), Ágda Canedos, ressalta a importância de firmar compromissos entre crianças e famílias. O intuito é, com pequenas ações, passar por esse período com menor prejuízo e mais qualidade de vida e aprendizado, principalmente protegendo esses menores que estão mais tempo em casa.

Com escolas fechadas há cinco meses, a comunidade escolar experimenta novas formas de aprendizado e o convívio em casa foi estendido. Isso requer muito diálogo e planejamento, principalmente, no campo sócio afetivo, habilidade humana que imprime regras de convivência, afeto, cuidados com o outro, solidariedade e alteridade. É importante não desconsiderar o momento que estamos vivendo e ter consciência de que o Brasil tem múltiplas realidades, com famílias em formatos diversos. Essas pessoas estão enfrentando esse momento de forma bem diferente, proporcionalmente à sua diversidade e desafios que precisam superar.

À medida que o tempo de isolamento social se prolonga, mais se faz necessário o planejamento familiar para fazer disso uma fase de aprendizagem mais tranquila. É preciso ajudar as crianças a expressar seus sentimentos, como o medo, ansiedade e a raiva, de forma positiva. E como isso pode ser feito? "Desenhos, brincadeiras ou verbalmente, cada uma tem seu jeito de lidar com essa situação, mas conversas claras e apropriadas para a idade, é a melhor forma de proteger nossas crianças", esclarece Ágda.

Integrante da Gerência de Inclusão, Diversidade e Cidadania (Gerinc) da SME, a profissional dá mais algumas sugestões didáticas que podem ajudar no planejamento da convivência familiar durante a pandemia e para além dela. A principal delas é criar uma rotina e, a partir disso: 

* Eleger os responsáveis pelas tarefas do lar e dividi-las

* Estabelecer hora para acordar, desenvolver as tarefas pessoais, comer e dormir

* Monitorar e orientar as tarefas, criar reuniões domésticas permanentes e fortalecer o hábito na família de propor, discutir, encaminhar e avaliar as rotinas em casa

* Investir na qualidade da comunicação para que o tempo juntos seja produtivo, afetivo e enriquecedor

* Criar códigos não verbais para comunicação utilizando placas, desenhos, objetos para que cada momento seja compreendido pelas crianças como propício ou não para conversar

* Lembrar-se de que não se faz necessário manter as crianças estarem entretidas o tempo todo

* Aproveitar o momento da distração com os filhos para falar das pessoas idosas da família, das formas de vida social da sua época, das brincadeiras, dos valores construídos e de como esses valores são importantes para a vida deles

* Aproveitar e apresente as brincadeiras antigas e brinquem com eles no momento destinado a distração

* Em caso de convivência no mesmo espaço com avós, bisavós (idosos), explicar para os filhos a importância da troca de afeto, dá corresponsabilidade com cuidados básicos, explicando que são sensíveis e enxergam o mundo de outra forma

"Os desafios trazidos pela pandemia são muitos, contudo, mediante o planejamento e assistência, a adaptação ao chamado 'novo normal' pode acontecer de forma muito mais tranquila", destaca Ágda. 

Trabalho da Rede de Atenção

Profissionais da Secretaria Municipal de Educação e Esporte (SME) de Goiânia, por meio da Gerência de Inclusão, Diversidade e Cidadania (Gerinc), executam um importante trabalho, ao longo do ano, com a Rede de Atendimento no Enfrentamento à Violência. E não tem sido diferente nesse período de aulas presenciais suspensas, já que as crianças e adolescentes estão mais vulneráveis, estando em casa em tempo integral. 

A equipe vem trabalhando arduamente durante esse período de pandemia. Apesar das dificuldades que a Covid 19 nos trouxe, também permitiu um avanço técnico por meio da tecnologia e o acesso a profissionais, com a participação de simpósios nacionais e setoriais, colóquios, reuniões e pesquisas virtuais, sempre trabalhando por melhorias nas políticas públicas que assegurem os direitos e a segurança das crianças e adolescentes, especialmente as que fazem parte da Rede Municipal de Educação da Capital. 

Adriene Bastos, da Editoria de Educação e Esporte com informações da professora, Ágda Canedos 

registrado em:
Fim do conteúdo da página